Fábio Zanini

Pé na África

 

O fim de Pé na África

Amigos,

 

Este é o último post de Pé na África.

 

Há quase três anos, este blog nasceu de uma aventura por um continente apaixonante e desafiador. Era março de 2008, e eu embarcava para Johannesburgo, na África do Sul, para cinco meses de uma viagem que me levou até Egito, na outra ponta do continente.

 

Desde então, acompanhei clandestinamente uma eleição no Zimbábue morrendo de medo de ser preso por Robert Mugabe. E depois entrevistei o próprio Mugabe, em 2010, dessa vez sem medo. Vi Nelson Mandela de perto duas vezes e acompanhei uma final de Copa do Mundo.

 

Na Somália, masquei qat (e cuspi uns 40 segundos depois). No Sudão, vi a tragédia dos refugiados de Darfur. Em Uganda, o preconceito que pede a morte de gays. Na Suazilândia, os incríveis números da epidemia de Aids.

 

Em Moçambique, comi pasteis de Belém e os melhores camarões do planeta Terra. Em Gana, vi bruxas fazendo as compras num mercado a céu aberto. Em Ruanda, crânios enfileirados que sobraram do maior genocídio desde o Holocausto.

 

Em todas essas aventuras, Pé na África foi o veículo em que me expressei. No ano passado, este blog deu origem a um filho, um livro pela editora Publifolha.

 

Em comentários, fui elogiado, sacaneado, xingado e paquerado. Descobri a imensa generosidade dos leitores. Aos mais de 6.000 que deixaram seus recados, muito obrigado.

 

Ao voltar da “viagem inaugural” à África, mudei o caráter de Pé na África para um espaço de comentários e análises. Procurei mantê-lo vivo, pulsante, desafiador.

 

Mas o fato é que nos últimos tempos não tenho conseguido dedicar ao blog o tempo que os leitores merecem. Há seis meses, minha vida mudou radicalmente. Sou agora editor do caderno Mundo da Folha de S. Paulo, e a carga de trabalho tornou-se brutal. Especialmente nos últimos tempos, com a revolta árabe (para completar, Rafael nasceu no dia da queda de Hosni Mubarak).

 

O blog foi ficando esquecido. Sem atualizações, caminhava para a morte. Finalmente, me dei conta que uma lenta agonia não fazia jus ao que para mim representou tanto. Melhor por um ponto final.

 

Pé na África continuará na internet, neste endereço, e seu arquivo, acessível a todos. Mas não será mais atualizado.

 

Quem gosta de notícias sobre nosso continente está convidado a acompanhar a Folha, onde sempre encontro um espacinho para a África.

 

Um dia eu volto à blogosfera, com outro projeto. Por ora, deixo um beijo carinhoso e um imenso obrigado.

 

Fui.

Escrito por Fábio Zanini às 22h22

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Bom dia, Egito

As imagens da queda de Hosni Mubarak são comoventes, mas há algo de inquietante nos eventos históricos de ontem no Egito. Ruas em júbilo não bastam para o nascimento de democracia. Às vezes, são o prenúncio ingênuo de mais autoritarismo, especialmente quando regimes militares “provisórios”se impõem.

 

Golpes militares não são exclusividade africana, por certo, mas do continente vieram exemplos recentes e preocupantes de juntas de salvação nacional assumindo o poder após a queda de déspotas. Ocorreu na Guiné, Mauritânia e Níger, para citar exemplos recentes. Desconfie sempre delas.

Mas meu (pequeno) mau humor com os acontecimentos no Egito fica para outro dia. E não apenas por ser impossível não festejar a revolução da praça Tahrir.

Bem-vindo, novo Cairo.

Bem-vindo, Rafael, nascido numa data marcante para a liberdade africana.

Volto daqui a alguns dias.

 

Escrito por Fábio Zanini às 18h30

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Um julgamento para a história

Enquanto o planeta olha para o norte da África e o restante do mundo árabe, coisas históricas ocorrem também ao sul do deserto do Saara, na África negra.

Amanhã termina um dos julgamentos mais importantes da história do direito internacional, o do ex-presidente da Libéria Charles Taylor. Acusado de crimes relativos à guerra civil em Serra Leoa, oeste da África, nos anos 90, Taylor foi parar em Haia, Holanda.


A promotoria pede a prisão perpétua, com base na acusação de que ele ajudou rebeldes leoneses a trocar diamantes por armas –os famosos “diamantes de sangue”.

Desde o início do processo, Taylor, preso em 2006 enquanto estava exilado na Nigéria e depois entregue ao tribunal da ONU sobre crimes de guerra de Serra Leoa, está se fazendo de difícil. Não apareceu em diversas audiências e fez muita catimba.

Hoje mesmo, seu advogado fez uma cena e abandonou a sala de audiências depois que um documento com suas alegações foi recusado pelos juízes, sob o argumento de ter sido apresentado fora do prazo.

Nada deve adiantar. Amanhã, os meritíssimos juízes começam o longo processo de deliberação, para dar a sentença em algum momento deste semestre.

Se condenado, Taylor entrará para a história como o primeiro ex-chefe de Estado a pagar por seus crimes num julgamento internacional. O sérvio Slobodan Milosevic morreu preso, antes de ser condenado. Saddam Hussein foi sentenciado no Iraque e enforcado, mas seu julgamento teve um cheiro desagradável de revanchismo (não que Saddam não fosse um monstro, mas é fato que o julgamento não teve os parâmetros legais que se espera da justiça internacional).

Se há algo a ser lamentado é que, após quase quatro longos anos, pouco se acompanhou um julgamento que deveria ser emblemático. O processo só virou notícia quando a modelo Naomi Campbell foi elencada como testemunha por ter supostamente ganho um diamante de Taylor...

Escrito por Fábio Zanini às 22h57

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Direto do front no Egito: Tati, uma noiva brasileira

Alguns de vocês devem ter lido na Folha, na internet e em outros veículos o que ocorreu com a mineira Tatiana Cardoso. De todos os brasucas que se viram no Cairo pegos de surpresa com a revolta popular, ela tem uma das histórias mais incríveis.


Tinha casamento marcado para 28 de janeiro com seu noivo egípcio, justamente dia do primeiro dos megaprotestos contra o ditador Hosni Mubarak. O toque de recolher, o caos instalado e o clima de medo levaram inevitavelmente ao cancelamento da cerimônia. Seus convidados vindos do Brasil aos poucos estão voltando pra casa.

Por acaso, Tati é uma grande amiga minha. Fizemos juntos mestrado na School of Oriental and African Studies, da Universidade de Londres (eu mesmo era presença certa nesse casamento, se não fossem algumas questões pessoais mais urgentes a me segurarem no Brasil).

Enfim, poeira um pouco mais assentada, ela mandou o seguinte relato. Para quem viu sua festa atropelada pela mais assombrosa manifestação popular das últimas décadas no mundo árabe, Tati está até que muito relax. Afinal, mineiro não é de se estressar com qualquer coisa...

Isso é o que ela conta:

“O bicho está pegando para a imprensa, as pessoas continuam na praça, lojas e bancos reabriram hoje, mas as escolas internacionais só voltarão em março. 

 Hoje, fui ao clube onde seria a festa para salvar uns docinhos brasileiros. Consegui juntar várias caixas e vou distribuí-los entre a resistência da comunidade brasileira -ou seja, os que sobraram por aqui. Na verdade, todas [as amigas brasileiras] que são casadas permaneceram. Os que viajaram foram os que trabalham para empresas brasileiras. 

Durante estes dias de semicativeiro -devido ao toque de recolher-, desci algumas vezes [para o centro do Cairo]. Cheguei a dormir no hotel da minha mãe, o Ramses Hilton, epicentro do conflito, cercado de tanques do Exército e vários carros queimados das noites anteriores. Isso de terça para quarta. 

De longe, espiamos a marcha do milhão da terça [quando os manifestantes dizem ter colocado 1 milhão de pessoas nas ruas]. Já na quarta, saí para levar meu pai ao aeroporto, e quando voltei para buscar minha mãe no hotel, tivemos que passar com as malas em meio aos tanques e caminhar contra a demonstração "pró-Mubarak". Por poucas horas, teríamos presenciado o quebra pau [nesse dia, milicianos pró-Mubarak invadiram a praça montados em cavalos e camelos]. Mas felizmente, assistimos a tudo pela TV. 

A perseguição está intensa. Alguns amigos do Ahmed [seu noivo] foram presos por tentarem levar comida para os manifestantes na praça Tahrir. 

Zanini [esse sou eu], assaltaram o Jazz Club [casa noturna que ela me apresentou]. Deixaram as bebidas, mas levaram equipamento de som! 
 
Todos que vieram para o casamento já estão de volta ou pelo menos já saíram do Egito. Túlio [seu irmão] e meu pai foram os que mais se divertiram com tudo. Dr. Getulio [seu pai] tuitou tanto que quase virou correspondente internacional, com vista privilegiada da varanda do hotel -e um dos poucos pontos com conexão em toda a cidade. Até descobrirem...

Já o Túlio fez vários ensaios fotográficos até ficar complicado circular com uma câmera pelas ruas. Ficou com medo de tirarem a máquina dele. Sensato.

Continuo na casa dos meus sogros por segurança, uma vez que as cadeias foram queimadas e muita gente tem se aproveitado para roubar lojas, apartamentos e casas. Preferimos esperar e avaliar melhor a situação. Além do mais, aqui no condomínio, [onde fica a casa] o esquema de segurança conta com tanques do Exército desde os primeiros dias. 
 
Hoje, a cidade recomeçou aos poucos a retomar sua rotina, com os bancos e as lojas abrindo suas portas. Ainda estamos sob o toque de recolher, o que limita bastante as atividades diárias.

Beijos

Tati, direto do front"

 

 

Escrito por Fábio Zanini às 20h19

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Quando Obama falou no Egito

”Acredito inabalavelmente que todas as pessoas anseiam por certas coisas: a possibilidade de declarar o que você pensa e ter voz na maneira como é governado; a confiança no Estado de direito e na justiça igual para todos; em um governo que é transparente e não rouba da população; na liberdade de viver como você escolhe viver. Essas não são apenas idéias americanas, são direitos humanos, e é por isso que nós os apoiaremos em todo lugar”.

Esse era Barack Obama em 4 de junho de 2009, num discurso memorável dirigido às massas árabes. Àquela altura, com menos de seis meses no cargo, suas palavras ainda excitavam analistas e historiadores. Com a popularidade ainda alta, resquício de uma avassaladora e poética campanha presidencial no ano anterior, Obama estava no auge. E decidiu falar sobre democracia aos povos do Oriente Médio.

Teve mais:

“Governos que protegem direitos são, em última instância, mais estáveis, bem sucedidos e seguros. Reprimir ideias nunca consegue fazer com que desapareçam. Vamos saudar todos os governos eleitos e pacíficos, desde que governem com respeito por todas suas populações”.

Aplausos e mais aplausos de sua plateia. E o presidente americano arrematou, sem medo de puxar a orelha dos geriátricos ditadores do mundo árabe:

 “Vocês precisam manter seu poder através do consentimento, não da coerção; precisam respeitar os direitos das minorias e participar com um espírito de tolerância e conciliação; precisam colocar os interesses de sua população e a operação legítima do processo político acima dos interesses de seu partido. Sem esses ingredientes, as eleições, por si sós, não fazem uma democracia verdadeira”.

À luz dos últimos acontecimentos no Egito, é irônico pensar que Obama pronunciou essas palavras justamente no Cairo, há menos de dois anos. Terra de Hosni Mubarak, que o recebeu efusivamente na ocasião.

E exemplo maior de alguém que faz o exato oposto de tudo o que o presidente americano cobrava.

O presidente escolheu o Egito para falar ao mundo árabe, mesmo sabendo da ditadura do lugar (ingênuo ele nunca foi…) porque é o país mais importante da região, e antigo aliado norte-americano.

Num microcosmo, aquela fala de Obama, pensada para ser um recomeço após oito anos de aspereza política de George Bush, representa à perfeição o desconforto da situação americana com o que acontece na ponta norte da África.

Mas que poderia ser ampliado para o que ocorre também ao sul do deserto do Saara, na África negra. Os EUA, afinal, afagam ditadores como o da Guiné Equatorial e regimes cleptocráticos como o de Angola, em nome do petróleo.

Obama, ao pronunciar seu discurso no Cairo, tinha na verdade objetivos maiores em mente do que a democracia, mencionada quase en passant na longa fala. Queria reconquistar corações e mentes dos povos árabes, machucados com a guerra no Iraque e com o conflito Israel-Palestina.

Talvez por saber que a defesa da democracia traria perguntas incômodas, o presidente não se estendeu sobre o tema. Agora, está chegando a conta, nas ruas do Cairo. Nunca a credibilidade dos EUA esteve tão abalada por aquelas bandas.

Escrito por Fábio Zanini às 09h38

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

O Egito é o próximo?

As últimas semanas transplantaram para o norte da África uma tese que já esteve em voga no Sudeste Asiático, Leste Europeu e América Latina, sobretudo no auge da Guerra Fria: a teoria do dominó.

Diz a tese que a queda do ditador da Tunísia há duas semanas provocará algo semelhante em regimes totalitários na região. O próximo a passar por uma revolução democratizante já está escolhido: seria o Egito.

Isso sim seria um terremoto geopolítico. A Tunísia é inspiradora e simbólica, sem dúvida, mas periférica do ponto de vista geográfico, econômico, militar e populacional. O Egito tem 80 milhões de habitantes e a capacidade de mudar o panorama do Oriente Médio. Nada na região se decide sem sua opinião.

Mas realmente há condições suficientes para um repeteco?

À primeira vista, sim: um regime autoritário, um ditador decrépito no poder (Hosni Mubarak, há longos 30 anos), uma bomba populacional prestes a entrar em ignição: sem emprego nem perspectiva, o número crescente de jovens zangados só pode mesmo explodir em cima dos governantes.

Em tese, portanto, Mubarak tem de se coçar, e rápido, antes de ser a Maria Antonieta da vez.

Na vida real, é bem mais complicado, e se tem uma aposta que eu faria (e que eu gostaria, honestamente, de perder) é de que a hora de Mubarak ainda não chegou.

Colocar Tunísia e Egito no mesmo saco apenas porque são árabes é como igualar Brasil e Argentina apenas porque são latino-americanos.

Primeiro, porque o Egito é “grande demais para mudar”, parodiando a expressão que ficou famosa durante a última crise financeira, em que bancos não fechavam porque eram “grandes demais para falir”.

O Egito é aliado dos EUA e, visto do Pentágono, é um bastião de estabilidade numa região conturbada.

Mesmo que essa estabilidade seja na base da porrada, e mesmo que a mudança seria para melhor, haveria inevitavelmente um período de incerteza (como o que vive agora a Tunísia). Esse curto período seria perigoso demais, segundo a tese dominante em capitais ocidentais.

Segundo, o Egito tem uma “desculpa” que vem a calhar para se manter repressor: do outro lado estão os islâmicos da Irmandade Muçulmana. Noves fora o fato de a maioria desse grupo negar o fundamentalismo, eles assustam o suficiente. Seu pedido de democracia, de “um homem, um voto ,“é repelido com uma expressão carregada de sarcasmo: “um homem, um voto, uma vez”.

Ou seja, a democracia (um homem, um voto) seria a porta de entrada para levar ao poder regimes que logo depois aboliriam o sufrágio universal, a democracia.

Na Tunísia, lembremos, nunca houve nada que se assemelhe a um movimento islâmico forte.

O Egito, também, não tem classe média forte e secular como na Tunísia. Ironicamente, algo que é um tributo ao governo que acabou derrubado.

Por fim, como disse a última edição da revista britânica Economist, a repressão total à imprensa tunisiana (ao contrario da egípcia, que é um tanto mais livre) tirou do governo um mecanismo de aferição do nível de descontentamento social. Quando perceberam o tamanho da crise, já era tarde. Mubarak tem mais mecanismos de fazer jogadas populistas antes que o tsunami ataque.

Por isso, a tese de que o Egito é o próximo, é muito simpática. Mas ainda pago para ver.

Escrito por Fábio Zanini às 23h22

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

As Comissões da Verdade doem

 

Em fevereiro de 1990, Winnie Mandela estava no auge. Ao lado de seu marido Nelson, deixava a prisão Victor Vorster, nos arredores da Cidade do Cabo, celebrando o início do fim do apartheid e o nascimento de uma democracia rial na África do Sul.

Antes que a década acabasse, um outro lado, bastante sinistro de Winnie, tinha vindo à tona. A de uma líder de gangue que, durante o apartheid, queimava e torturava supostos colaboradores do regime racista. De quebra, foi acusada de fraude e desvio de recursos públicos.

Hoje, Winnie é uma figura de estatura politica bastante reduzida. Continua idolatrada por parcela expressiva do Congresso Nacional Africano, o partido do poder. Mas o caráter mitológico que o hoje ex-marido Nelson Mandela conserva na sociedade sul-africana de forma geral, e internacionalmente, se foi. Ela é uma figura polêmica, para dizer o mínimo.

Corte rápido para Serra Leoa, que viveu, entre o final dos anos 90 e o início dos 00, uma guerra brutal. O conflito no pequeno pais do oeste africano, rico em diamantes, notabilizou-se por dois motivos: a grande quantidade de crianças soldados e a mutilação de braços e pernas de inocentes por brutamontes que se diziam rebeldes.

Ali, o governo formou uma milícia para prevenir massacres, conhecida como “kamajors˜. No início, era um grupo preocupado em preservar direitos humanos, mas logo isso se perdeu. Os kamajors descambaram para uma prática bastante semelhante à dos monstros que tentavam combater. Civis de áreas controladas por rebeldes eram mortos a esmo.

Seu líder, Sam Norman, era um mito para camponeses indefesos nas selvas leonesas. Mas isso não o salvou de ser acusado por atrocidades. Quando estive lá, em 2004, um assessor do tribunal que o julgava me explicou: “Mesmo anjos têm de ter regras quando combatem demônios˜.

Nos dois casos, o da África do Sul e o de Serra Leoa, algo aconteceu entre o antes romantizado de Winnie e Norman e o depois realista: Comissões de Verdade e Reconciliação.

São instrumentos que pretendem extirpar demônios escondidos nos anos de chumbo. Já aforam adotados em diversos países e agora devem chegar ao Brasil, segundo promessa da presidente Dilma Rousseff.

A ideia é curar traumas da sociedade um pouco da forma como se cura o alcoolismo em grupos especializados: pela fala desenfreada, a confissão, a sinceridade.

Ótimo. Mas como mostram os exemplos africanos, essas comissões têm de valer para todos. Só funcionou lá quando nem ícones foram poupados de dar explicações.

Me pergunto se as organizações de esquerda aqui também estão preparadas para responder por atrocidades que cometeram, ou por episódios nebulosos. É verdade que não existe equivalência moral entre um regime militar instituído que brutalizou milhões e grupos armados que se insurgiram como consequência. Mas também é verdade que, nas palavras daquele promotor em Serra Leoa, lutar contra demónios não dá carta branca a anjos.

Querem uma Comissão da Verdade? Excelente. O Brasil precisa delas. Mas estejam cientes: a verdade dói.

 

Escrito por Fábio Zanini às 22h40

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

O impacto da revolução na Tunísia

É cedo para festejar a transformação da Tunísia em um raro exemplo de democracia no mundo árabe.

O país teve ontem e hoje dois dias de violência e morte. Não se sabe muito bem que apito tocam os novos governantes do local –o premie, Mohamed Ghannouchi, e o chefe do Parlamento, Fouad Mebazza, dois ex-integrantes da cozinha de Zine Ben Ali, o ditador destronado na sexta-feira.

Não se sabe se são democratas convictos ou se apenas vão emular o que fez Ben Ali em 1987, quando tomou o poder do fundador da moderna Tunísia, Habib Bourguiba, prometendo liberdade e democracia. Aliás, não se sabe nem se Ghannouchi e Mebazza são aliados ou rivais pelo poder.

Tamanha era a sombra que Ben Ali projetava sobre a pequena ex-colônia francesa que pouco se sabe sobre os que estavam a seu redor. Mas algo já é possível concluir.

Mesmo se tudo der errado a partir de agora, ainda será possível dizer que algo momentoso ocorreu nas ruas de Túnis, que trará consequências por muito tempo para uma das regiões mais autoritárias do planeta.

Não é todo dia que cai um ditador por uma revolta popular. Há paralelos recentes na Ucrânia e na Geórgia (em nenhum o que se viu em seguida foi um mar de rosas). No mundo árabe, o Líbano viveu um processo de mobilização de massas há cinco anos, que resultou na saída de tropas sírias do pais e numa democracia imperfeita.

O recado a ditadores é inequívoco, no entanto. Prosperidade moderada e estabilidade, como se via na Tunísia de Ben Ali, não bastam. Direitos civis são importantes. Corrupção incomoda. Transparência é uma exigência.

Egito e Líbia, liderados há mais de 30 anos pelos mesmos ditadores (Hosni Mubarak e Muhammar Gaddafi, respectivamente), podem, por que não?, viver processos semelhantes no futuro. Os reis de Marrocos, Jordânia e Arábia Saudita deveriam se preocupar. Idem para as demais ditaduras do Golfo Pérsico.

Nunca houve uma influência democrática no mundo árabe, com as exceções parciais do Líbano e, ironicamente, do Iraque pós-Saddam. O impacto do que ocorreu na Tunísia é, portanto, imprevisível.

No futuro, a revolução tunisiana pode entrar para a história como uma das mais improváveis e surpreendentes da história recente.  Na Ucrânia, foram necessárias semanas de protestos contra o ditador local, e a partir de certo ponto, já estava claro que sua queda era inevitável. Na Tunísia, Ben Ali era uma maçã podre que caiu ao primeiro sopro. Sua sombra era ilusória.

Olhando em retrospecto, fica fácil apontar sinais de um regime que não tinha como se sustentar. Há pouco mais de um ano, em novembro de 2009, estive na Tunísia e tive duas experiências reveladoras.

A primeira, na chegada, no porto de Túnis, quando ingenuamente escrevi “jornalista” no campo “profissão” do cartão de embarque e levei uma canseira de meia hora com a autoridade local, que quis saber tudo da minha vida, embora eu ali estivesse apenas de férias.

E a segunda na saída, quando o restinho de dinheiro local que eu levava para a área de embarque do aeroporto, para aquele tradicional último café antes do voo, foi confiscado por um operador de raio-x a título de ˜gorjeta”.

Repressão à imprensa e corrupção (ainda que pontual), sobre isso se assentava o regime de Ben Ali. Mas nem nos meus pensamentos mais delirantes eu suporia que aquilo em breve se tornaria uma bola de neve que derrubaria o velho líder.

Escrito por Fábio Zanini às 19h26

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Revolução na Tunísia?

Zinedine Ben Ali, o ditador da Tunísia, acaba de anunciar que não tentará mais uma reeleição (a quinta) em 2014. Seu país é a um só tempo parte da África e do mundo árabe, duas regiões onde líderes não gostam de sair do poder.

 

Sua promessa, dando de barato que será cumprida (2014 está longe e até lá muita coisa pode mudar), não é algo insignificante, portanto.

 

Ben Ali está no poder desde 1987, e faz o tipo autocrata do bem (como se isso existisse). A Tunísia tem o maior nível de desenvolvimento humano da África.

 

Realmente. Estive lá há dois anos. Estradas bem pavimentadas, internet que é uma beleza, nenhuma miséria aparente. Resorts e mais resorts que atraem turistas europeus. Nas interessantes áreas turísticas, caravanas e mais caravanas de japoneses e chineses.

 

Graças ao primeiro presidente tunisiano, Habib Bourguiba (1903-2000), pai da independência do país em 1956, o regime é bastante secular. Mulheres não são obrigadas a cobrir cabeça, e os níveis de emancipação feminina são os melhores do mundo árabe.

 

Mas aí vêm os problemas. Por onde se olhe está lá a figura do bonitão, Ben Ali, sorridente, às vezes levemente ameaçador, em pôsteres e cartazes. Alguns até emporcalhando fachadas de prédios medievais. E bandeiras, bandeiras e mais bandeiras do país.

 

 

Se há uma regra de ouro em qualquer lugar do mundo é de que essa onipresença de um líder prenuncia coisas sinistras. E a Tunísia é uma ditadura, e ponto final. O regime não é muito de prender e arrebentar. Tortura-se muito pouco. Desaparecidos são raros.

 

Mas a Tunísia é imbatível na arte de silenciar opiniões. A ONG Repórteres sem Fronteiras põe o país no último lugar no ranking dos que cerceiam a liberdade de expressão. Não há mídia local independente. Os jornais que existem são odes ao brilhantismo do ditador. A oposição e as ONGs não têm espaço político para respirar.

 

Lá, sempre houve um contrato não-escrito entre governo e população. Vocês me deixam com meu autoritarismo que eu garanto estabilidade e alguma prosperidade. Aos olhos do mundo, a Tunísia sempre foi um oásis de paz numa região conturbada.

 

Há mais ou menos um mês, essa máscara caiu. Primeiro, foi um estudante que ateou fogo ao próprio corpo, em protesto contra o governo. Depois, seguiu-se uma bola de neve: protestos em universidades por todo o país, confrontos com a polícia, decretação de toque de recolher (prontamente desrespeitado) e mais mortes. Mais de 60 pessoas podem ter sido mortas em apenas algumas semanas.

 

Para um país em que isso nunca havia acontecido, um choque e tanto. Que agora culmina no anúncio da saída de Ben Ali. Seu surpreendente gesto pode finalmente acalmar os manifestantes. Assim o velho autocrata espera.

 

Ou pode acontecer o oposto também. Zinedine, a exemplo de seu xará Zidane, pode ter dado uma cabeçada. Foi, afinal, uma confissão de fragilidade, e a massa pode se sentir encorajada a exigir sua saída imediatamente.

 

Isso, sim, seria inédito. Uma revolução popular democrática no mundo árabe.

Escrito por Fábio Zanini às 19h17

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

A divisão sudanesa e seu impacto na África

Para onde vai a África depois da mais do que provável divisão do Sudão?

 

Enquanto se aguarda o fim da votação, no sábado, e depois a contagem dos votos (que promete ser um longo e demorado processo), especula-se o que pode acontecer com outros movimentos separatistas africanos (e no mundo, aliás).

 

Porque o Sudão do Sul criará um novo paradigma para a formação de Estados. Ainda mais forte que o de Kosovo, pois tende a ser universalmente reconhecido, ao contrário do que acontece com a declaração de independência da ex-província sérvia.

 

Sobre isso, escrevi o seguinte na Folha que saiu domingo:

 

“A descolonização africana começou há 50 anos com uma regra sagrada: fronteiras são indivisíveis. Ao longo de décadas, países surgiram às pencas, mas sempre respeitando o princípio conhecido no jargão da diplomacia como “uti possidetis” (o que você possui, em latim).

 

¦Do ponto de vista estratégico, fazia sentido que as linhas políticas traçadas pelas potências europeias no final do século 19 fossem a base para os novos Estados, por mais arbitrária que sua criação tivesse sido.

 

¦Uma espécie de acordo de cavalheiros proibiu subdivisões. Evitou-se, assim, que cada um dos centenas de grupos étnicos agrupados em alguns poucos países pelos colonizadores criasse seu Estado, receita para o caos.

 

¦Sempre que se buscou quebrar a regra, houve crises. A tentativa do sudeste da Nigéria de se separar em 1967 gerou a Guerra de Biafra, que deixou 1 milhão de mortos.

 

¦Não há precedente africano, assim, para a secessão do sul do Sudão. O caso mais próximo é a Eritreia, que se separou da Etiópia em 1993.

 

¦Mas a região havia sido colonizada de forma separada pela Itália antes de ser engolida pelos etíopes em 1951.

 

¦Quanto ao Sudão, trata-se da divisão de uma mesma ex-colônia (britânica), gerando um divórcio que será sentido por muito tempo em lugares como Somália, Angola e Marrocos, para ficar apenas em países africanos com movimentos secessionistas fortes.”

Escrito por Fábio Zanini às 11h05

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Os coptas do Egito

Raramente trato do Egito aqui, como já expliquei. O país é árabe, uma extensão do Oriente Médio que apenas por acaso está, como indicam os mapas (e o tabuleiro de War), no continente africano.

 

Mas de vez em quando é bom falar da região. Ainda mais quando algo inesperado e trágico acontece, como o atentado de sábado passado que deixou 23 mortos em Alexandria, segunda cidade mais importante do país. O alvo foi uma igreja cristã copta (foto), uma minoria que compreende cerca de 10% da população egípcia.

 

 

As cenas nesse caso, como sempre, são chocantes. Mas algo pior aconteceu. Um arranhão numa das mais positivas situações de tolerância religiosa de toda a África.

 

Pelo discurso oficial, os coptas são uma minoria integrada, respeitada e prestigiada no Egito, um país nominalmente governado por um regime secular, mas que na prática tem forte sentimento islâmico. A Irmandade Muçulmana, um grupo que se pauta pela observância do Alcorão, tem uma base social bastante forte, que só não se impõe politicamente em razão de restrições do regime do ditador Hosni Mubarak.

 

Grupos militantes radicais, apesar de bem menos influentes do que a Irmandade, também se fazem presentes. Um deles foi o responsável pela atrocidade em Alexandria.

 

Em resumo: num país islâmico, uma significativa minoria cristã vive em perfeita harmonia. Ou pelo menos era isso o que se imaginava.

 

Na prática, não é bem assim. Antes mesmo do atentado, os coptas reclamavam de serem relativamente mais pobres do que a elite muçulmana. Mas pelo menos não sofriam violência.

 

Aqui vale um parênteses. Os coptas são uma igreja autônoma do Vaticano, que segue ritos ortodoxos próprios e tem seu próprio papa. Separaram-se no século 5º da Igreja Católica tradicional. Têm alguma presença em outros países africanos, como a Etiópia, mas é no Egito que conservam sua principal base.

 

Hoje, é o Ano-Novo dos coptas, que seguem um calendário ligeiramente diferente do nosso. Multidões vão a igrejas espalhadas pelo país. O medo é palpável entre eles.

 

Há algumas coisas positivas a serem extraídas dessa situação. Líderes muçulmanos egípcios pretendem fazer atos de solidariedade aos coptas, pedindo paz. E pelo menos jogou-se luz sobre as condições de uma comunidade a respeito da qual pouco se fala.

 

Mas a maior conclusão não é essa. Não há como desconectar a bomba na igreja de Alexandria do clima político pesado que se respira no Egito, onde Mubarak acaba de roubar mais uma eleição (parlamentar). E no ano que vem, roubará outra (presidencial). É dele, em última análise, a responsabilidade pela instabilidade no Egito.

 

Escrito por Fábio Zanini às 11h48

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

O ano de Obama na África?

Até agora, convenhamos, há uma certa decepção com a atenção dada por Barack Obama à África.

 

Tirando o importante discurso que ele fez em Gana em 2009, em que de maneira muito lúcida dividiu a culpa pelo subdesenvolvimento do continente entre fatores externos (colonização) e internos (corrupção, desgoverno), Obama deixou a região no fim da fila de suas prioridades.

 

Em parte, é natural nisso. O presidente assumiu com muita coisa para resolver: duas guerras complicadas (Iraque e Afeganistão), uma crise econômica e prioridades domésticas enrascadas (como a reforma da saúde). Ainda assim, fica uma sensação de que o filho de pai queniano poderia ter feito mais.

 

Será 2011 o ano “africano” de Obama? Talvez. Uma reportagem ontem da agência Associated Press aposta que sim.

 

“[Em 2011], ele vai focar na África em boa governança e em apoiar nações com fortes instituições democráticas”, diz o texto.

 

A Casa Branca informa que Obama viajará novamente ao continente, dessa vez numa jornada mais longa (quando foi para Gana, passou apenas uma noite no país do oeste africano).

 

Segundo Ben Rhodes, vice-assessor de segurança nacional dos EUA, a definição dos locais repetirá o que foi feito na viagem de 2009. Países serão escolhidos com base no exemplo positivo que dão de “modelo democrático”. Candidatos não são muitos, mas poderiam ser, por exemplo, a África do Sul, Moçambique, Senegal, Cabo Verde, Botsuana...

 

A Nigéria, um dos países mais influentes do continente, poderia ser incluída, caso sua eleição presidencial em abril transcorra sem muitas fraudes e violência (porque ausência total de fraudes e violência num dos países mais turbulentos do continente é, convenhamos, impossível).

 

Também haverá atenção especial ao que acontece no Zimbábue. Eleições gerais estão previstas para maio, e nooooooovamente o ditador Robert Mugabe deve se candidatar.

 

Citado na reportagem, o ex-embaixador dos EUA na Nigéria, John Campbell, hoje ligado ao Council on Foreign Relations, disse que as eleições podem dar a Obama a oportunidade de estabelecer “políticas claras” sobre o continente.

 

“A administração deveria ter menos disposição para ignorar quando eleições são menos do que livres, justas e de credibilidade”, disse Campbell.

 

Tudo muito animador, mas há dois testes importantes para o real comprometimento da Casa Branca com a África. O primeiro é a crise na Costa do Marfim, com a ameaça muito real de uma guerra civil. Até agora, os sinais são positivos: os EUA não reconhecem a recondução fraudulenta do presidente Laurent Gbagbo.

 

Outro está chegando: domingo, é o referendo de independência do sul do Sudão, e uma nova guerra no maior país do continente pode estar apenas começando.

 

Obama ainda tem muito o que provar na África.

Escrito por Fábio Zanini às 20h43

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

As curiosas cédulas do Sudão

Começaram a ser distribuídas na semana passada as cédulas que serão utilizadas no referendo que decidirá em 9 de janeiro sobre a independência do sul do Sudão.

 

O voto é cercado de tensão. Com 10 milhões de habitantes e quase 25% da área do Sudão, a parte sul, majoritariamente formada por negros, sempre se viu colonizada pelo norte, que é sobretudo árabe.

 

Como parte de acordos de paz firmados em 2005, o sul recebeu o direito a um voto sobre seu futuro, no qual, muito provavelmente, decidirá pela independência. Isso se o norte deixar e não criar encrenca (leia-se, provocar uma guerra). O sul já se arma para a eventualidade.

 

Mas voltando à cédula. É talvez uma das mais originais já pensadas. Lado, a lado, as duas opções, em árabe (falado no norte) e inglês (no sul): separação à esquerda, unidade à direita.

 

 

Mas como há quase 90% de analfabetos no país, adotou-se também uma solução visual curiosa: para separação, uma mal espalmada, em sinal de “pare”. Para unidade, duas mãos unidas.

 

As cédulas foram aprovadas pela ONU, que mantém uma missão de paz no país, e pelas partes interessadas no sim (o governo regional do Sudão do sul) e no não (o governo central baseado em Cartum). Há muito petróleo em jogo, lembre-se.

 

Me pareceu estranho o pessoal da separação não ter reclamado. Visualmente, a imagem pró-unidade é muito mais simpática do que a da mão espalmada, um tanto agressiva.

 

Numa campanha tensa, em que já há mobilização de Exércitos de lado a lado, algum desavisado pode votar pela unidade achando que vota pela paz.

 

Mesmo assim, não aposte contra a vitória da independência...

Escrito por Fábio Zanini às 21h44

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Retrospectiva 2010

Quais foram os principais acontecimentos na África em 2010? A lista, compilada pela revista “New Yorker” (e reproduzida pelo blog Baobab, da revista “Economist”), aponta, em ordem decrescente de importância:

 

1-) A Copa do Mundo da África do Sul;

 

2-) As polêmicas envolvendo gays em Uganda;

 

3-) A eleição presidencial na Guiné;

 

4-) O derramamento de petróleo da Shell na Nigéria;

 

5-) A seita Boko Haram, na Nigéria;

 

6-) Os indiciamentos do Tribunal Penal Internacional no Quênia;

 

7-) A independência iminente do Sudão do sul;

 

8-) A disputa presidencial da Costa do Marfim;

 

9-) A eleição presidencial em Ruanda;

 

10-) O ataque a bomba do Shabab (grupo afiliado à Al Qaeda na Somália) em Uganda.

 

Bem, até que o saldo não é dos piores.

 

Das dez notícias, há três indiscutivelmente positivas, incluindo a mais importante delas, a da Copa.

 

A ela, eu acrescento a eleição na Guiné (tensa, mas no fim das contas, com resultado pacífico, o que é surpreendente, dado o histórico de violência neste país do oeste africano) e os indiciamentos no Quênia (ainda que tardios, visto que a onda de violência eleitoral no país está completando três anos).

 

Outros dois são neutros: o crescimento da seita Boko Haram na Nigéria e a provável independência do sul do Sudão.

 

Um parece positivo, mas não é bem assim: a reeleição de Paul Kagame em Ruanda, num pleito calmo, mas em que a oposição foi sufocada.

 

Outro acontecimento, apesar de negativo, tem um quê de positivo: a perseguição aos gays em Uganda, que incluiu projeto prevendo a pena de morte para alguns tipos de relações homossexuais e a publicação, num jornaleco local, de gays que deveriam ser mortos. Tão absurdos foram esses acontecimentos que se criou uma reação entre defensores dos direitos humanos em diversos países africanos, que antes não tinham coragem de tocar no tema.

 

E o restante dos fatos (derramamento de petróleo, confusão na Costa do Marfim e ataque em Uganda) são negativos, ponto.

 

Bem, não foi um ano perfeito, mas só o fato de algumas notícias positivas, ou algo positivas, terem se imiscuído na lista, é alentador. E o fato de a principal notícia do ano ser um evento esportivo, e não uma guerra civil ou uma crise de fome, traz ânimo.

 

Sou um otimista incorrigível, como vocês já perceberam.

 

Feliz 2011!

Escrito por Fábio Zanini às 11h52

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

O que fazer na Costa do Marfim?

A França orientou hoje seus cerca de 15 mil cidadãos na Costa do Marfim a deixar o país. Cresce exponencialmente a possibilidade de uma guerra civil num país que até dez anos atrás era símbolo de estabilidade.

 

Para rememorar: o presidente Laurent Gbagbo perdeu a disputa em que tentava se reeleger, há pouco menos de um mês, mas se recusa a deixar o cargo. A comunidade internacional reconhece a vitória do oposicionista Alassane Ouattara por uma margem convincente (54% a 46%), e ele instalou um “governo paralelo” num hotel de Abidjan, maior cidade e centro econômico do país.

 

A temperatura está subindo. O Banco Mundial congelou todos os financiamentos para um país que é bastante dependente de ajuda externa. Ontem, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-Moon disse temer uma nova guerra civil, como a que já ocorreu nesta década.

 

Gbagbo, desafiador, ameaça decretar os capacetes azuis da ONU “inimigos”, o que deixaria essa força de paz em situação perigosa. Ouattara, por outro lado, pede que uma força externa invada o país e remova seu adversário do poder.

 

Uma situação que vai ficando dramática, portanto. Podemos entrar no Natal com mais uma guerra na África.

 

O episódio da Costa do Marfim é revelador em dois aspectos. Primeiro, é quase uma receita de bolo de como destruir um país estável e relativamente próspero (africanos são mestres nisso, vide o caso do Zimbábue).

 

Basta, para isso, um líder populista (Gbagbo), apegado ao poder e representante de uma elite corrupta com mais amor às suas mamatas que a noções de democracia. A exploração de rivalidades étnicas ajuda também, e o conflito na Costa do Marfim transformou-se em uma rixa entre o sul cristão e o norte com forte influência islâmica, e que se sente discriminado pelo poder central.

 

A segunda lição do episódio é que é muito difícil remover um autocrata aferrado ao poder (de novo, o Zimbábue é um bom exemplo). Nesse caso, a comunidade internacional inteira está contra o presidente, mas o que fazer?

 

Intervenção militar não é uma opção realista, seja porque potências não querem arriscar seus soldados num país de importância periférica (a Costa do Marfim é o maior exportador de cacau do mundo, mas cacau refinado ainda não funciona em motores de combustão), seja porque os países africanos não topariam a empreitada. Temem que possam ser os próximos da lista.

 

O caminho das sanções é o único que resta, mas não tem resultado imediato (sem falar que prejudica cidadãos comuns, que não têm nada a ver com o peixe). Se países vizinhos entrarem nessa pressão, ajuda um pouco. Mas não resolve. De qualquer maneira, é melhor que nada.

 

A guerra pode estar chegando, e será feia. Ouattara é ligado a Guillaume Soro, chefe da principal facção rebelde durante a década passada –ou seja, comandante de um Exército paralelo. A eleição era para ser o ápice de um processo de paz que fez de Soro o primeiro-ministro de Gbagbo. Há muito ressentimento de ambas as partes.

 

Sobretudo, a Costa do Marfim é um país grande e influente. Um conflito se espalharia por países vizinhos, com refugiados invadindo nações frágeis e pobres. Criando novos problemas, em resumo.

 

O abacaxi da Costa do Marfim é grande e ninguém sabe como descascá-lo.

Escrito por Fábio Zanini às 15h56

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores

PERFIL

Fábio Zanini Fábio Zanini, 34, é jornalista formado pela Escola de Comunicações e Artes da USP (ECA-USP), com mestrado em relações internacionais pela School of Oriental and African Studies (Soas), da Universidade de Londres.

BUSCA NO BLOG


RSS

ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha Online. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha Online.